segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Habilitação e corrupção

Estou me sentindo como se tivesse tirado um peso enorme das costas. O gosto da derrota é amargo. Ainda mais para quem não está acostumado com ela. Eu sempre fui boa aluna, tirei boas notas, nunca fui reprovada em nenhuma matéria. Não que eu seja uma campeã nata, boa em tudo. Pelo contrário... a verdade é que eu me desafio pouco para não correr o risco de não conseguir. Não gosto de jogar Mário porque me irrito ao "morrer" (me irrito mesmo, de ficar bravinha, xingar e tudo). Imagina o que foi para mim ser reprovada 3 vezes na mesma coisa? Isso mesmo... tomei 3 paus no exame de direção. E o que me dava mais raiva é que não tive tanta dificuldade para aprender. Tive dificuldade é de passar mesmo.
Tem gente que já chega na autoescola sabendo tudo. Também não foi esse meu caso. Aprendi praticamente tudo lá. Principalmente as três manobras que pedem na prova: baliza nos cones, controle de embreagem na subida (parada sem uso de freio) e controle de embreagem de ré. O problema é que por algum motivo bem estranho eu só errava na prova o que não errava nas aulas. Juro. Ansiedade, nervosismo? Claro né... não tinha como não sentir isso... O clima de exame é extremamente angustiante. Mas agora tudo isso ficou no passado. Autoescola? Só se num futuro distante eu resolver tirar carteira de moto.
Passei na quarta tentativa, mas mesmo assim fiquei tão feliz! Talvez seja por isso mesmo. Nunca imaginei que tirar carteira fosse algo tão complicado e tão bom. Achava que era uma coisa normal. Acho que para muitas pessoas é. Mas para mim não foi. Foi um desafio que travei comigo mesma... finalmente quando consegui mostrar tudo que eu sabia,  venci.
Existe outro motivo para eu estar escrevendo sobre isso: a corrupção. Claro que já tinha ouvido falar em "compra de carteira", mas não achei que fosse algo tão corriqueiro. Infelizmente é. Eu mesma recebi essa proposta duas vezes, por dois instrutores de autoescolas diferentes. Felizmente não eram os meus instrutores, estavam só substituindo. Mas esse negócio é complicado. Nem sempre uma pessoa paga para passar por não saber dirigir. Muitas vezes sabe, só não consegue passar. Eu mesma, tinha condições de passar da segunda em diante, mas passei só na quarta.
Digo na segunda, mas talvez passace até de primeira se não tivessem me sacaneado. Por causa de um pessoal que pagou para passar, fui prejudicada. Meu exame estava marcado para 07:00 da manhã, mas graças aos cambalachos só fui fazer lá pelas 11:00! Foi tudo armado para eles (os que pagaram) poderem burlar as regras e ninguém ver. Nem baliza fizeram. Foram direto para a rua. Um deles tentou ligar o carro sem a marcha estar no ponto neutro umas três vezes, deixou morrer, tentou sair com o freio de mão puxado... e mesmo assim, passou. Aí, já viu né? Eu odeio esperar. Fico anciosa. Sou pontual, não gosto nem de fazer os outros me esperarem, imagina esperar. E depois de quase quatro horas, vendo todo mundo passar na minha frente ainda vejo uma dessas. O motivo de eu ter ficado igual idiota esperando era esse?? Fiquei com ódio... Totalmente sem condições de fazer nada. Mas fiz. Fiz besteira, é lógico. rsrs...
É fato que muitos pagam por desespero... por estarem cansados de ficar pagando R$ 200,00, R$ 300,00 de quinze em quinze dias. Resolvem pagar R$ 1000,00 de uma vez, pelo menos tem certeza que é garantido. O que causa isso é o próprio sistema. A maneira como o DETRAN determina que seja a avaliação é totalmente hipócrita. A gente não faz aula para aprender a dirigir. Fazemos aula para passar na prova. Isso não é segredo para ninguém. Minha instrutora falava isso direto, que tudo isso é uma bobeira. Quando eu for estacionar na rua vou levar meus cones? Vou ter cinco minutos contados no cronômetro e três tentativas? Se usar o freio para parar o carro no morro serei multada? Aff... Junte-se a isso um bando de policiais safados com grandes chances de ganhar dinheiro fácil... Quem paga tem até seus motivos, mas não deixa de ser errado, desonesto. E eu não aguentaria ser desonesta comigo mesma. Sempre afirmei que não pagaria. Que faria a prova as vezes que fossem necessárias, mas que não me renderia a essa máfia.  Outra característica minha é a teimosia: nem que eu tivesse que pagar três vezes o valor da propina (porque umas duas vezes pelo menos, com certeza eu paguei), não ia desistir. Se desistisse ia me sentir uma fracassada. Quando eu tentava fazer controle num morrão e o carro morria, tentava de novo. E de novo, e de novo, até conseguir. Se eu fosse embora sem ter vencido aquele desafio alí... nossa, era horrível. Por isso estou tão leve agora...  Depois de tanto desgaste financeiro e emocional, mereço um descanso. Ufa!
Do que sentirei saudade? Com certeza da minha instrutora, que é uma pessoa maravilhosa e também do meu celtinha com direção hidráulica! kkk... Quem sabe até dos cones... afinal, a partir de agora é vida real.


sábado, 8 de janeiro de 2011

Feliz 2011! (Livros 2010)

Eu sei que o ano já tem mais de uma semana, mas só agora estou com ânimo de desejar felicidades. Rsrs... Vou ficar no mínimo uma semana fora, então tinha que deixar aqui registrado os livros lidos em 2010. Estou meio decepcionada comigo mesma... Li bem menos que eu queria, mas também não foi um ano dos mais fáceis. Então aí vai minha minúscula lista:

1) O Vencedor Está Só _ Paulo Coelho: não gostei muito. Li porque ainda não tinha lido nenhum livro dele. Faz tanto tempo que eu li... mas lembro que fala sobre o universo das celebridades e o cenário é o festival de Cannes.

2) O Guardião de Memórias _ Kim Edwards: É um livro que não esteve entre os mais vendidos atoa. Muito bonito e profundo. Não é só um livro comercial... É lindo mesmo.

3) O Diário de Anne Frank _ por Otto H. Frank e Mirjam Pressler: Como a própria Anne esquecia, a gente também esquece que o diário foi escrito em meio a guerra porque ela é uma adolescente tão normal. É triste o final, logicamente rs.

4) O Mundo de Sofia - Romance da história da filosofia _ Jostein Gaarder: O melhor do ano, com certeza. Estou até relendo e escrevendo sobre filosofia aqui no blog baseada nele. Vale a pena pra qualquer um, porque a linguagem é bem simples... Além das noções de filosofia, tem uma história meio doidinha no meio, bem legal.

5) Labirintos _ Nélio Canedo: É um livro de poesias que ganhei direto do autor rsrs. Um engenheiro civil, poeta e de esquerda. Tem umas muito boas, ainda irei postar.

6) O Cortiço _ Aluísio se Azevedo: Eu tinha vontade de ler esse livro a muito tempo. O problema é que o livro é meu, aí enrolei bastante. Mas eu adoro... Gosto da literatura brasileira. Marco naturalista.

7) O Símbolo Perdido _ Dan Brown: Nem vou falar muito. É bom? É. Mas deixa a desejar em comparação a Anjos e Demônios e O Código da Vinci. E ponto.

8) A Cabana _ William P. Young: É um livro que, na minha opinião, todo mundo que acredita em Deus (principalmente se for cristão), deveria ler. Para mim, que sou agnóstica, não fez muita diferente. Pra falar a verdade, ele pode ser meio decepcionante... passa a ideia de um deus impotente. A pronto, falei rsrs...

9) Leite Derramado _ Chico Buarque: Minha mãe achou chato, mas eu gostei. É um livro diferente. Você vê a história sendo construída aos pedaços, fora de ordem, misturando "realidade" (a realidade das personagens) e fantasia. 

10) O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - umas história de amor _ Jorge Amado: Lindinho demais! Rsrs... Sério, é uma historinha tão singela mas ao mesmo tempo é forte... Parece infantil, mas não é. Ou é infantil mas não parece. Sei lá. Me fez lembrar O Pequeno Príncipe.